Pacientes oncológicos de Manaus são transferidos em aeronave da FAB

Pacientes oncológicos de Manaus são transferidos em aeronave da FAB

Mais sete pacientes da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), de Manaus (AM), foram transportadas nesta terça-feira (23), ao Instituto Nacional de Câncer (INCA), no Rio de Janeiro, em uma aeronave C-99, da Força Aérea Brasileira (FAB). O avião decolou da Ala 8 às 10h45 (horário de Brasília) e pousou na Base Aérea do Galeão, às 15h35.

A atuação da Força Aérea ocorreu por meio da parceria entre o Governo Federal, Governo do Amazonas, Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) e o INCA, e visa minimizar os impactos no sistema de saúde, em decorrência da COVID-19. Em 29 de janeiro, oito mulheres também seguiram para o Rio de Janeiro, a bordo da aeronave C-97 Brasília, do Sétimo Esquadrão de Transporte Aéreo (7º ETA), para o tratamento. Já em 9 de fevereiro, outras oito foram transportadas, de C-105 Amazonas, do Primeiro Esquadrão do Décimo Quinto Grupo de Aviação (1º/15º GAV) – Esquadrão Onça,  para o mesmo destino. Assim, a FAB já atuou na transferência de 23 mulheres.

Para o piloto da aeronave C-99, do Primeiro Esquadrão do Segundo Grupo de Transporte (1º/2º GT) – Esquadrão Condor, Capitão Aviador Renan Herbert Picorelli Walter, cumprir esta missão foi motivo de satisfação, especialmente por poder auxiliar as pacientes. “Colaborar com nosso povo amigo do Amazonas, é um orgulho. Esperamos que a situação seja normalizada e a vida de todos seja normalizada diante de toda essa pandemia que enfrentamos”, destaca.

Missão de solidariedade

A responsável pelo Serviço de Mastologista da Fundação Cecon, a médica Hilka Espírito Santos explica que as pacientes fariam, em Manaus, a cirurgia. Porém, em razão das demandas hospitalares para pacientes com o novo Coronavírus, houve a necessidade da transferência. “Foi uma missão de solidariedade em relação a nós do Amazonas, em especial à Fundação. Na verdade, foi um ato para salvar vidas no momento que precisava, pois para o paciente oncológico, o tempo é muito importante e não pode esperar”, comenta, destacando que todas as pacientes, antes do embarque, fizeram os testes para COVID-19, os quais acusaram negativo. Ao chegarem no INCA, repetirão os procedimentos. “O objetivo é evitar a disseminação da nova cepa do vírus”, alertou.

A paciente Maria Socorro da Costa Pinho comentou sobre a viagem, de Manaus ao Rio de Janeiro. “Foi um voo tranquilo, graças a Deus. Uma viagem tranquila, onde fomos muito bem atendidas”, disse.

Fotos: Soldado Moraes Silva/BAGL; Hygson Matos/FCecon; Secom

(CECOMSAER/FM)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *