Adesg promove seminário sobre a Segurança e a Defesa no Atlântico Sul

Seminário
Brig. Hélçio Gonçalves, Presidente da ADESG, entrega diploma de participação no Seminário ao Embaixador Jerônimo Moscardo

A Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG), promoveu no dia 28 de abril, o seminário “A Segurança e a Defesa no Atlântico Sul”, no Instituto Histórico e Cultural da Aeronáutica (INCAER), no Rio de Janeiro. O seminário foi realizado para reforçar a ideia e a importância das iniciativas de segurança e defesa no Atlântico Sul. Uma parceria foi estabelecida com a Universidade do Minho, em Portugal, com a intenção de promover um debate com a mesma finalidade. O evento foi aberto com a execução do Hino Nacional Brasileiro, seguido pelo pronunciamento do Brigadeiro Hélio Gonçalves, atual Presidente da ADESG, que agradeceu a presença dos convidados e externou sua satisfação em poder organizar um seminário de tamanha importância.

O seminário foi desmembrado em três módulos, o primeiro deles foi a conferência: “A Posição Brasileira em Relação ao Atlântico Sul”, ministrada pelo Embaixador Jerônimo Moscardo. O diplomata dividiu a sua explanação em duas opiniões: a do Ministério das Relações Exteriores e a sua. A posição do ministério em relação à segurança e a defesa no Atlântico Sul é de que os países envolvidos na região em questão deveriam enfatizar mais a Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul (ZOPACAS). Na opinião do Embaixador, a relação entre Brasil e Angola deveria ser mais estreita, já que ambas nações descobriram recentemente os seus pré-sais e que o comércio e a exploração do petróleo tem muito a ver com a segurança e a defesa do Atlântico Sul.

No segundo módulo do seminário foi debatido, no primeiro painel, “A Importância Geostratégica do Atlântico Sul”, coordenado pelo professor Flávio Aníbal Ramazzini, e composto pelos debatedores: Embaixador Luciano Ozório Rosa, Contra-Almirante Guilherme Mattos de Abreu e Professor Gustavo Trompowsky Heck. O Embaixador destacou que no Atlântico Sul,   ao fim da Segunda Guerra Mundial, não se pensava na utilização desse oceano como cenário de possíveis confrontos navais entre grandes potências. Outro destaque do painelista foi a preocupação com o processo de independência de países africanos, que poderiam formar governos influenciados pelas teorias de Karl Marx e Lênin. O Contra-Almirante Guilherme de Abreu enfatizou em sua exposição a importância da Zona de Exploração Econômica (ZEE), conhecida como “Amazônia Azul” e o programa de proteção “Amazônia Verde”. O militar mostrou também que a região do Atlântico Sul é composta de um cordão de ilhas que servem como bases de apoio logístico para grandes potências. Foi o que aconteceu na Guerra das Malvinas, em 1982. Terminando o painel, o Professor Gustavo Trompowsky Heck mencionou a importância do Atlântico no período das grandes navegações como rotas comerciais. Disse também que a criação do MERCOSUL trouxe uma nova realidade para a região. O professor mostrou-se preocupado com a reativação da IV Frota e a formação de um comando do exército dos Estados Unidos na África. O destaque deste painel foi a exposição do Contra-Almirante Guilherme, que mesmo convalescendo de uma cirurgia mostrou-se bastante claro nos assuntos por ele abordados.

Concluindo o seminário, foi debatido o segundo painel: “A Segurança e Defesa no Âmbito do Atlântico Sul”, no qual participaram o Capitão-de-Mar-e-Guerra Adalberto Souza Filho, o Tenente-Coronel-Aviador Maurício Carvalho Sampaio e por último o Capitão-de-Mar-e-Guerra Antonio César de Souza, Comandante do Comando de Controle Naval do Tráfego Marítimo. O CMG Adalberto abriu os debates ressaltando a importância do Atlântico Sul nos aspectos geopolíticos, econômicos e culturais destacando que devemos aprender a encarar o desafio de cuidar da segurança e defesa da região que vai do trópico de câncer até as ilhas Sandwich do Sul. O

Seminário
Prof. Gustavo Trompowsky Heck, C. Alte. Guilherme Mattos Abreu, Prof. Flávio Ramazzini e o Embaixador Luciano Ozório Rosa

debatedor seguinte foi o Ten.Cel.Av. Mauricio, que exibiu um vídeo elucidativo abordando como a Aeronáutica está preparada para defender a costa brasileira, com seus equipamentos e suas aeronaves de patrulha. Finalizando o painel, o CMG Antonio César explicou o funcionamento do Sistema de Informações Sobre o Tráfego Marítimo (SISTRAM) e suas implicações no domínio marítimo do Atlântico Sul.

Ao final de cada painel os debatedores foram agraciados com diplomas de participações, entregues pelo Presidente da ADESG, Brigadeiro Hélio Gonçalves.

(Pedro Rezende, Maiara Oliveira e Paloma Mesquita – FM)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *