Tropas de Operações Especiais das Forças Armadas realizam exercício conjunto de salto livre

Tropas de Operações Especiais das Forças Armadas realizam exercício conjunto de salto livre

As Tropas de Operações Especiais das três Forças Armadas estão reunidas até o dia oito de abril, na Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia (RJ), para o Adestramento Conjunto Específico de Salto Livre Operacional (SLOp). Promovido pelo Ministério da Defesa e sob a coordenação do Comando Naval de Operações Especiais (CoNavOpEsp), o exercício é caracterizado pela interoperabilidade e atuação conjunta da Marinha, Exército e Força Aérea.

Ao todo, 173 militares participam do treinamento, que tem por finalidade aprimorar o emprego conjunto, aperfeiçoar táticas, padronizar procedimentos, fazer o intercâmbio de novas técnicas e promover a integração entre os operadores das Forças. Durante duas semanas, serão mesclados conteúdo teórico e prático, incluindo saltos noturnos e infiltração por helicóptero a partir do Navio Doca Multipropósito “Bahia”, já como parte da Operação Poseidon 2022.

Outro exercício executado inclui o Salto Livre Operacional à grande altitude, que requer uma preparação especial e depende de diversos fatores, como afirma o Capitão de Corveta André Tominaga Mussatto, do Comando Naval de Operações Especiais. “Por ser realizado a cerca de 32 mil pés (cerca de 9.700 metros) onde o ar é rarefeito, esse tipo de salto requer um nível de treinamento avançado e a utilização de equipamento de oxigênio para respiração. Os militares precisam estar com o teste de câmara hipobárica atualizado – que resumidamente é um equipamento que simula a falta de oxigênio (hipóxia) em grandes altitudes, podendo assim, simular esses efeitos no organismo dos saltadores durante o treinamento em solo”, completa.

Esse tipo de prática também requer grande preparação física dos militares para poderem suportar a quantidade de peso. Durante o exercício eles chegam a carregar em média 35 quilos, com todos os equipamentos necessários para o cumprimento de uma missão, tais como mochila, armamento, capacete, colete balístico, console de navegação, cilindro e máscara de oxigênio, além do paraquedas operacional que pesa em torno de 25 quilos.

Compõem a missão efetivos da Marinha (Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais, Grupamento de Mergulhadores de Combate e 2° Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral), do Exército (1° Batalhão de Forças Especiais, Batalhão de Ação de Comandos e Companhia de Precursores Paraquedistas) e da Força Aérea (Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento e 1° Grupo de Transporte de Tropa), além de organizações militares de apoio das três Forças Singulares.

(CCSM/FM)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *