Tropa paraquedista retorna ao Brasil após exercício nos Estados Unidos

Tropa paraquedista retorna ao Brasil após exercício nos Estados Unidos

No dia 22 de fevereiro, foi realizada no Campo do 26º Batalhão de Infantaria Pará-quedista (Btl Inf Pqdt) uma formatura para marcar a recepção e a desmobilização dos militares participantes do Exercício Culminating. Iniciada no dia 3 de janeiro no Centro de Prontidão e Treinamento Conjunto em Fort Polk, nos Estados Unidos da América, a ação foi parte de um intercâmbio entre os dois países e finaliza o Plano Conjunto de atividades realizadas ao longo de cinco anos.

A Subunidade (SU) Culminating chegou ao Brasil na manhã da segunda-feira, 22, ao desembarcar na Base Aérea do Galeão. No local, a tropa foi recebida pelo Comandante da Brigada de Infantaria Pára-quedista (Bda Inf Pqdt), General de Brigada Helder de Freitas Braga, pelo Chefe do Centro de Coordenação de Operações Logísticas, General de Brigada Himario Brandão Trinas, e demais autoridades. Na ocasião da formatura, o General Helder dirigiu-se à tropa parabenizando-a pelo êxito obtido.

“Meu sentimento é de orgulho de tudo aquilo que os senhores fizeram. Cumpriram exatamente aquilo que desejávamos e sonhávamos. Os méritos são dos senhores. Não podemos deixar de lembrar que esse esforço só foi possível graças a uma estrutura de todo o Exército Brasileiro. E tenham humildade! Usem essa experiência para transmitir aos outros o que aprenderam”, disse o General.

Culminating
O Exercício Culminating teve a participação de uma subunidade paraquedista enquadrada em um Batalhão de uma Brigada da 82ª Airbone Division do Exército dos EUA. A Força-Tarefa (FT), aprestada para emprego em operações aeroterrestres, utilizou-se de equipamentos e armamentos individuais e coletivos de última geração: canhões sem recuo 84 mm; morteiros 60 e 81 mm; metralhadoras leves; equipamentos de visão noturna; miras laser; lunetas ópticas; GPS; meios de comunicações diversos; e paraquedas MC-1. A FT nível subunidade foi composta por 172 paraquedistas.

No Brasil, o exercício foi dividido em cinco fases. Na primeira e na segunda fases, a SU, originada da Brigada de Infantaria Pára-quedista, participou do assalto aeroterrestre e cumpriu as missões de conquista e manutenção de cabeça de ponte aérea. Na terceira e quarta fases, foram praticadas a infiltração aeromóvel e a ocupação e estabilização da área urbana de São José do Barreiro, interior de São Paulo. Na quinta fase, realizou-se o Live Fire.

Nos Estados Unidos, as atividades tiveram início com a readaptação dos paraquedistas às técnicas aeroterrestres americanas, finalizadas com o salto, no dia 20 de janeiro, da aeronave militar americana C-130 e paraquedas T-11. Seguindo a preparação, os motoristas da subunidade tiveram instruções teóricas e práticas com as viaturas americanas HUMVEE e LMTV, a fim de as utilizarem durante o exercício.

Continuando as atividades previstas, após a chegada do 1-505 PIR, Batalhão Americano da 3ª Brigade Combate Team/82ª Airbone Division, iniciaram-se as atividades de recebimento de ordens, planejamentos, emissão das ordens, ensaios e inspeções pré-combate.

(CCOMSEX/FM)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *