Comissão Desportiva Militar completa 65 anos e contribui com fortalecimento do esporte nacional

Comissão Desportiva Militar completa 65 anos e contribui com fortalecimento do esporte nacional

A Comissão Desportiva Militar do Brasil (CDMB) comemora, neste sábado (27), 65 anos de existência. Uma trajetória de sucesso, marcada por feitos grandiosos e conquistas históricas para o desporto nacional. Criada em 1956, pelo Decreto n° 38.778, com o nome de Comissão Desportiva das Forças Armadas (CDFA), passou à atual denominação, em 1976, por meio do Decreto nº 88.072. Hoje, integra o Departamento de Desporto Militar (DDM) do Ministério da Defesa e tem como principais atribuições implantar a política desportiva militar no âmbito das Forças Armadas (Marinha, Exército e Aeronáutica), coordenar o desporto entre as Forças Armadas e as Forças Auxiliares, além de incentivar e de difundir a cultura desportiva em todo o Território Nacional.

cdmb65 1.jpg

A CDMB é filiada à União Desportiva Militar Sul-Americana (UDMSA) e ao Conselho Internacional do Esporte Militar (CISM) Com essas organizações, realiza intenso trabalho, promovendo a prática esportiva e destacando o Brasil como uma das grandes potências do esporte mundial militar.
Como ex-presidente da CDMB, no biênio 2012/2013, o atual Ministro da Defesa, Fernando Azevedo, parabeniza a Comissão e fala, com orgulho, lembrando que a preparação, a execução e os resultados dos atletas brasileiros nos 5º Jogos Mundiais Militares (5º JMM), no Rio de janeiro, em 2011, foram o ápice desse trabalho. “O Brasil ficou em primeiro lugar no quadro geral de medalhas e, a partir de então, tornou-se uma potência do desporto militar mundial”, destacou o responsável pela Pasta.

Com base nos valores relacionados ao desporto, como a disciplina, o respeito e a amizade, a CDMB trabalha de forma mais específica, apoiando os atletas brasileiros por meio do Programa Atletas de Alto Rendimento (PAAR). Trata-se de parceria de sucesso com o Ministério da Cidadania (Secretaria Nacional de Esporte de Alto Rendimento-SNEAR), envolvendo o Comitê Olímpico do Brasil (COB), as Confederações e Federações Esportivas e os Clubes.

Composto, hoje, por efetivo de 566 militares atletas, o PAAR é considerado fundamental para o desenvolvimento do desporto nacional. Os militares atletas que integram o programa têm à disposição todos os benefícios da carreira, como soldo, 13º salário, férias, direito à assistência médica, incluindo nutricionista e fisioterapeuta, além de disporem das instalações esportivas militares para treinamento. “O trabalho realizado na CDMB, com sua pequena estrutura e o apoio das Comissões de Desportos das Forças Armadas, além de entidades civis, como o COB, é fundamental para o desenvolvimento do desporto militar e nacional em uma série de iniciativas, como, por exemplo, o Programa de Atletas de Alto Rendimento, que transformou a face do desporto nacional, dando a estrutura e segurança necessárias para apoiar atletas durante o ciclo de preparação olímpica, tornando os atletas militares os maiores ganhadores de medalhas olímpicas para o Brasil.

cdmb65 3.jpg

 A CDMB promove o desenvolvimento de valores imprescindíveis à atividade militar e à cidadania. Parabéns, CDMB! Nesses 65 anos, foram escritas belas e honrosas páginas da história de nosso País”, elogiou o Ministro do Superior Tribunal Militar (STM), Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos Augusto Amaral Oliveira, que ocupou o cargo de presidente da CDMB no período de 2104 a 2016.

A história do desporto militar e do esporte nacional se confundem. Os militares sempre estiveram presentes na difusão de conhecimentos e participando dos principais eventos desportivos nacionais e internacionais, remontando aos primórdios das atividades esportivas no Brasil. O marco referencial é a conquista da primeira medalha de ouro na modalidade de tiro, nos Jogos Olímpicos da Antuérpia em 1920, quando o então Tenente do Exército Brasileiro Guilherme Paraense laureou o Brasil com o mais elevado pódio dos vencedores.

A CDMB, como herdeira natural desse legado, honra e segue na busca incessante da excelência no cumprimento de suas atribuições. Assim, ao longo de sua trajetória sexagenária, obteve consideráveis progressos na realização de competições e na performance dos atletas brasileiros, com recordes e pódios dignos de verdadeiros guerreiros. Mais ainda, contribuiu ativamente para fazer história, mostrando ao País e ao mundo que o esporte imita o combate, pois ambos exigem, para a vitória, valores comuns, como a perseverança, a hierarquia, o espírito de equipe e o cumprimento das regras.
O Comandante-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais, Almirante de Esquadra (FN) Paulo Martino Zuccaro, também já esteve à frente da CDMB, de 2016 a 2018, e ressaltou o crescimento exponencial das Forças Armadas na área desportiva, fruto de trabalho amplo e visionário. “Olhar para todas as conquistas, os desafios superados e a gama de realizações que vem se sucedendo é reconhecer o trabalho desenvolvido pelo Departamento de Desporto Militar, setor que tive orgulho de dirigir. A excelência com que o DDM desenvolve as suas atividades vem rendendo muitos frutos, que ficarão marcados na história do esporte brasileiro”, destacou o militar.

Arthur Zanetti é Sargento da Força Aérea, integrante do PAAR, e é também orgulho para o País e exemplo para várias gerações. Medalhista de ouro nos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e vice-campeão mundial militar nas argolas nos 7º JMM, realizados na China, em 2019, o militar atleta está classificado para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2021. “Participar do programa de alto rendimento, coordenado pela CDMB, é uma satisfação enorme, porque eu consigo representar meu País não só como civil mas também como militar. Recebo o suporte necessário para que eu tenha foco total nas competições e consiga o melhor resultado para a nação brasileira”, disse o militar atleta.

cdmb65 Laurence Griffiths Getty Images.jpg
Os resultados conquistados pelos militares atletas nos últimos grandes eventos do cenário esportivo mundial ressaltam a importância do trabalho dirigido e planejado da Comissão, junto aos atletas das Forças Armadas.

Nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016, com 19 medalhas, o Brasil teve o melhor desempenho da história em Olimpíadas. A contribuição das Forças Armadas, permitiu que atletas militares compusessem o Time Brasil com 145 dos 465 atletas, ou seja, 31% da delegação, que obtiveram 68% dos pódios, o que correspondeu a 13, das 19 medalhas.

cdmb65 4.jpg

Nos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, em 2019, o Brasil terminou na segunda posição do quadro geral de medalhas, com 171 conquistas, atrás somente dos Estados Unidos. Desse total, 54,39% foram conquistadas por integrantes do PAAR, que competiram pelo Time Brasil.
A imagem de atletas militares subindo no pódio foi uma constante, destacando o nome do País no cenário internacional e levando à certeza dos resultados do trabalho desenvolvido pela CDMB e seus parceiros.

Também, em 2019, ocorreu a 7ª edição dos Jogos Mundiais Militares (7º JMM), que reuniu 109 nações na China, onde o Time Militar Brasil conquistou 88 medalhas e o 3º lugar geral da competição, consolidando o Brasil entre as três maiores potências esportivas militares do mundo.
Para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2021, já estão classificados 43 atletas das Forças Armadas. Mesmo com cenário atípico, com muitas incertezas e dificuldades, causado pela pandemia da Covid-19, deflagrada no ano passado, e, até mesmo por isso, a CDMB buscou formas de motivar os atletas e de continuar firme em seus propósitos.

O Diretor do Departamento de Desporto Militar e Presidente da CDMB, Major-Brigadeiro do Ar José Isaias Augusto de Carvalho, salienta que o desporto militar vive um momento de superação e vem atuando com muita criatividade. Ele exemplifica que, dessa forma, conseguiu, no ano de 2020, realizar no Brasil, a Reunião do Corpo de Diretores do CISM.

cdmb65 2.jpg

Além disso, criou o site “Quarentreina”, que apresenta opções saudáveis e criativas para os integrantes do Sistema Desporto Militar, familiares e amigos superarem a situação de isolamento social, em função do cenário de pandemia da Covid-19, promoveu a Corrida para Paz de forma virtual e inédita, conduziu o Curso de Fundamentos da Administração Esportiva Militar ( FAEM) para mais de 50 gestores esportivos, coordenou o 51º Campeonato Brasileiro de Tiro da Forças Armadas, promoveu a celebração do centenário da conquista da primeira medalha de ouro olímpica brasileira e, em coordenação com as Comissões de Desportos da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, realizou importantes investimentos na manutenção da infraestrutura desportiva das Forças Armadas. “Temos muito a comemorar nesses 65 anos. Tivemos que nos adaptar e vamos juntos superar todos os obstáculos com muita motivação e determinação, na busca de grandes resultados”, disse o atual Presidente da CDMB.

Em comemoração à data, o DDM preparou programação especial. Em virtude da pandemia, ocorrerá no segundo semestre do ano. Estão programadas, além da tradicional cerimônia de outorga da Medalha Mérito Desportivo Militar, o lançamento do selo postal atinente à data festiva e da medalha comemorativa dos 65 anos da Comissão.

Por Maristella Marszalek
Fotos: Alexandre Manfrim e Laurence Griffiths/Getty Images

(MD ASCOM/FM)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *